Áshrama

Num Áshrama o desenvolvimento deve ser em todas as facetas positivas convivendo sempre com o melhor de si

São factores essenciais na correcta construção do ambiente num Áshrama e no Desenvolvimento Total do Praticante, os Princípios Subtis que devem estar sempre presentes:

Os Princípios Matriarcais – Yama / Niyama - são o alicerce do Yoga, dos quais destacamos -  conhece-te – Svádhyaya, e julga-te a ti próprio, e não aos outros, convive com o melhor de ti, exige de ti, e tolera os outros observando as suas virtudes e não os defeitos, promovendo a Paz interior –Ahimsá – e exterior, e Mundial; e incentivando o combate à cobiça – Aparigraha, e ao ego deformado e exagerado; à cupidez – Íshvara Pranidhána - promovendo o Voluntariado, o Serviço e a Fraternidade activa; e desenvolvendo e utilizando a Super Energia Kundaliní – a única que permite alcançar o Supremo Samádhi (Nirbíja) - Iluminação Consolidada, sempre com a máxima Pureza – Shaucha; e o culto por uma Luminosidade Silenciosa, única propícia a permitir ouvir a Harmonia da Subtil Música Interior inspiradora, Elevadora e Contagiadora, com o coração repleto de Amor e os olhos cheios da Luz.

Recomendações para uma aula de Yoga

Não tomar banho
Não se deve tomar duche ou banho depois de uma aula do Yoga - só duas horas depois, no mínimo – para que toda a Formidável Energia dinamizada possa ser totalmente assimilada; nem tomar banho ou duche até pelo menos uma hora antes da aula ou prática
Não comer
Não deve comer até 3 horas antes da aula ou prática – refeição normal; ou até 2 horas antes – comida ligeira;
Roupa
Escolha uma roupa confortável - Pratica-se descalço, ou com meias.
Mergulho interior
- O praticante neófito – Chela / Shishya deve, desde a primeira aula, ser orientado para o profundo mergulho interior, no seu próprio Micro Cosmos, “Feito à Imagem e Semelhança” de todo o Macro Cosmos (o que está em baixo é como o que está em Cima), insistindo no constante domínio da atenção sobre todos os fenómenos físicos e subtis que deve encontrar, e familiarizar-se com o Verdadeiro Percurso para descobrir os Autênticos Tesouros Interiores até à tão procurada Mui Subtil Essência da Vida, que Tudo Anima.
Auto-conhecimento
Assim, o Praticante do Yoga é quem melhor se conhece a si próprio, e é o máximo responsável pela sobriedade da sua prática, pela sua Saúde e bem estar, devendo apoiar-se constantemente no seu Professor directo, e solicitar imediatamente orientação extra, sempre que sinta necessidade.

O QUE UM ÁSHRAMA NÃO É – NEM DEVERÁ SER

Não é um ginásio. Nem um local de adivinhação. Nem um local com aparelhos mecânicos, sem alma, nem proporção humana (por mais que se anunciem mestres mágicos nesses locais – de facto os Verdadeiros Mestres nunca lá entram – apenas frequentam os Áshrama). Nem local com música ensurdecedora e desequilibrante.

Partilhe esta página